HRO alerta para diagnóstico precoce do câncer de cabeça e pescoço
banner-sobrepor2
22.07.2021

HRO alerta para diagnóstico precoce do câncer de cabeça e pescoço

Coral de Laringectomizados Totais de Chapecó “Guerreiros do Oeste” voltou a se reunir um ano depois devido à pandemia do coronavírus nesta quinta (22/07) com a participação especial do cantor, compositor e multi-instrumentista (The Voice Kids 2020), Pablo Paludo.

De acordo com a fonoaudióloga mestre em Distúrbios da Comunicação, Luciara Giacobe Steinmetz, o encontro acontece em um momento especial, pois no mês de julho acontece a Campanha Nacional de Prevenção do Câncer de Cabeça e Pescoço com o objetivo de alertar sobre o diagnóstico precoce.

O grupo de apoio que forma o coral foi criado em 2011 e desde então vem se reunindo periodicamente para troca de informações, orientações e dicas de como manter hábitos saudáveis e para melhor qualidade de vida pós-cirurgia. Os pacientes participam de diversas atividades e encontros como teatro, palestras, visitas, conhecem pessoas, fazem amigos e o mais importante: trocam experiências com outros pacientes que estão passando pelo mesmo tratamento.

Todo ano, por meio da Associação Brasileira de Câncer de Cabeça e Pescoço (ACBG Brasil), pretende-se dar mais visibilidade à doença. Mais de 40 mil novos casos são registrados no Brasil tardiamente. No Oeste de Santa Catarina, o Hospital Regional do Oeste é referência em câncer de cabeça e pescoço.

Em 2021, a Campanha Nacional de Prevenção do Câncer de Cabeça e Pescoço fixa o slogan “O câncer tá na cara, mas às vezes você não vê”. A mensagem visa conscientizar a população sobre a importância do autocuidado e atenção aos primeiros sinais e sintomas da doença para obtenção de um diagnóstico precoce, ampliando as taxas de cura com menos sequelas.  

Neste ano, por conta da pandemia da covid-19, chama-se atenção para a exposição de pacientes de câncer de laringe traqueostomizados (pessoas com orifício que permite a comunicação entre a traqueia e o meio externo) à doença. Os mesmos estão completamente vulneráveis ao vírus, são imunocomprometidos, sem qualquer proteção que impeça a contaminação direta no pulmão pelo coronavírus. Por isso, a ACBG Brasil demanda a dispensação de filtros e adesivos pelas Secretarias Estaduais da Saúde, como já ocorre em Santa Catarina e no Ceará.

Anualmente, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) registra cerca de 40 mil novos casos de cânceres de cabeça e pescoço, denominação genérica de tumores que se originam em regiões das vias aéreo-digestivas como boca, língua, gengivas, bochechas, amígdalas, faringe, laringe e seios paranasais.

Os principais fatores de risco para estes tumores são: 

    • Consumo de tabaco (todos os tipos de cigarros, charutos e cachimbos) e álcool;  

    • Má higiene bucal;

    • Infecção viral pelo vírus do papiloma humano (HPV), transmitido principalmente através de relações sexuais desprotegidas (inclusive sexo oral);

    • Consumo de bebidas quentes, principalmente as tradicionalmente servidas em temperaturas muito altas como o chimarrão/mate;

    • Exposição excessiva ao sol (câncer de lábios, couro cabeludo);

    • Exposição durante o trabalho à poeira de madeira, poeira de têxteis, pó de níquel, colas, agrotóxicos, amianto, sílica, benzeno, produtos radioativos;

    • Infecção pelo vírus de Epstein-Barr (EBV), que pode causar a mononucleose infecciosa, uma manifestação do vírus transmitida por contato com outras salivas.

“Até 2022, cerca de 45 mil pessoas no país poderão perder parte de suas faces por causa do câncer na cavidade oral. Em média, 22.950 brasileiros correm o risco de perder a voz em consequência de um câncer de laringe. Precisamos agir”, alerta Melissa Ribeiro, fundadora e presidente voluntária na ACBG Brasil.

Neste contexto, destaca-se o diagnóstico tardio: a cada quatro novos casos, três chegam em estágio avançado da doença, resultando no óbito de cerca de 50% desta população.

Por isso, recomenda-se procurar um médico ou dentista, caso sejam identificados um ou mais dos principais sintomas e sinais que durem por duas semanas ou mais:

    • Ferida no rosto/boca que não cicatriza;

    • Mancha avermelhada ou esbranquiçada na boca;

    • Dentes moles ou dor em torno deles;

    • Mudança na voz ou rouquidão;

    • Dificuldade/dor para mastigar ou engolir;

    • Caroço no pescoço;

    • Irritação ou dor na garganta;

    • Mau hálito frequente.

Mesmo após o tratamento, que pode ser realizado com cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou imunoterapia, o câncer de cabeça e pescoço pode causar sequelas irreversíveis, mexendo com a estética facial, com a deglutição e alimentação, com a fala e a voz.

A ACBG Brasil trabalha para que, em 2021, a Campanha Nacional de Prevenção do Câncer de Cabeça e Pescoço alcance todos os estados do Brasil, abordando tanto a questão da prevenção, quanto do diagnóstico, tratamento e reabilitação. O Julho Verde ocorre do dia 1º ao 31 de julho, sendo 27/07 o Dia Mundial de Prevenção do Câncer de Cabeça e Pescoço.